Animais direcionados ao mercado paulista valem R$ 317/@, a prazo, e boi-China é negociado a R$ 320/@, à vista, informa a Scot Consultoria

Nesta terça-feira, 10 de agosto, os preços da boiada gorda ficaram firmes na maioria absoluta das praças brasileiras, informam as consultorias que acompanham diariamente o mercado pecuário.

Em São Paulo, o valor do boi gordo segue valendo R$ 317/@, enquanto a vaca e a novilha são negociadas a 293/@ e R$ 311/@, respectivamente (valor bruto e a prazo), informa a Scot Consultoria.

Segundo a Scot,  o bom desempenho da exportação de carne também tem dado sustentação de preço para bovinos destinados ao mercado chinês, que são fechados a R$ 320/@, preço bruto e à vista.

Levantamento realizado pela IHS Markit mostra que a demanda por animais terminados e seus preços dependem das escalas de abate das indústrias nas diversas regiões do País.

As indústrias localizadas no Norte e Nordeste, relata a consultoria, encontram cenário bastante confortável em relação aos seus prazos de abate, em função das boas condições climáticas da região.

No entanto, informa a IHS, o Estado do Pará, principal exportador de carne bovina na região, registra leve elevação nos preços da arroba do boi gordo, justamente em função do incremento na demanda internacional.

No Sudeste, especificamente em São Paulo, as indústrias também apresentam escalas de abate longas, ao redor de 10 dias, favorecida pela maior oferta de animais do primeiro giro de confinamento.

No Centro-Oeste, os preços da boiada gorda seguem estáveis, e as programações de abate dos frigoríficos giram ao redor de 7 dias.

No mercado futuro do boi gordo, após diversos dias de pouca volatilidade na B3, há registro de novas variações negativas em todos os vencimentos, sinalizando correção de preços.

Os negócios para outubro/21 e novembro/21 recuaram, respectivamente, R$ 2,90 e R$ 2,95, para R$ 322,50 e R$ 326,30.

O contrato de vencimento mais curto (agosto/21) também apresenta novas quedas, em função da folga nas escalas dos frigoríficos paulistas.

Em relação ao mercado externo, as exportações de carne bovina in natura registram ótimo desempenho na primeira semana de agosto.

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume embarcado alcançou 57,7 mil de toneladas, com uma média diária de 11,5 mil toneladas/dia, avanço de 48% em relação à média de agosto/20 e 53% superior à média diária do julho/21.

O economista Yago Travagini, analisa da Agrifatto, destaca o bom desempenho dos embarques no último mês de julho, que alcançou o volume recorde (para esse mês) de 166 mil toneladas de carne in natura.

“Ainda que a China tenha embarcado boa parte deste montante, a movimentação que “brilha” os olhos é a volta de antigos compradores como o Egito e o Chile, em conjunto com a consolidação dos novos clientes como EUA, Israel e Indonésia”, observa o analista.

No mercado atacadista, os preços dos principais cortes bovinos, assim como do couro e sebo industrial, permaneceram estáveis nesta terça-feira.

Até o momento, o setor não enfrenta surpresas em relação aos volumes demandados para reposição de estoques.

No varejo, as vendas da carne bovina seguem satisfatórias, situação que gera especulação sobre novas altas de preços, em especial dos cortes dianteiros, que são preferidos pelos consumidores, devido ao menor preço, informa a IHS.

Cotações máximas desta terça-feira, 10 de agosto, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 310/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 312/@ (prazo)
vaca a R$ 302/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 313/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 306/@ (prazo)
vaca a R$ 294/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 309/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 293/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 303/@ (à vista)
vaca a R$ 293/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 303/@ (à vista)
vaca a R$ 294/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 302/@ (prazo)
vaca R$ 292/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 295/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 312/@ (à vista)
vaca a R$ 290/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 312/@ (prazo)
vaca a R$ 302/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 310/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 295/@ (à vista)
vaca a R$ 284/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 305/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 315/@ (à vista)

vaca a R$ 305/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 295/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 294/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 297/@ (prazo)
vaca a R$ 287/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 295/@ (à vista)
vaca a R$ 288/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 285/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 299/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 287/@ (à vista)
vaca a R$ 259/@ (à vista)

Fonte: portaldbo.com.br