Nas praças paulistas, a referência de preços segue em R$ 316/@ para o boi gordo, R$ 295/@ para vaca gorda e R$ 305/@ para novilha pronta para abater, segundo as informações da Scot Consultoria.

O mercado brasileiro do boi gordo abriu a semana em tom de espera, com um baixo volume de negócios, mas o ambiente ainda foi de preços firmes devido à escassez de oferta, informa a IHS Markit.

Poucas indústrias chegaram a efetivar operações nesta segunda, uma vez que a grande maioria optou por se manter ausente dos negócios, a fim de avaliar estoques nas câmaras frias depois das vendas no último final de semana, acrescenta a consultoria.

“A estratégia é verificar até que ponto o consumo doméstico tem fôlego para absorver os repasses de custo à carne bovina, já que o ritmo das exportações ainda evolui de forma lenta devido ao menor apetite chinês”, destaca a IHS.

Segundo dados levantados nesta segunda-feira (29/11) pela Scot Consultoria, nas praças paulistas, a referência de preços segue em R$ 316/@ para o boi gordo, R$ 295/@ para vaca gorda e R$ 305/@ para novilha pronta para abater (preços brutos e a prazo).

“Com as escalas completas para a semana, os compradores avaliaram o mercado nesta segunda-feira e, portanto, poucos negócios foram reportados”, informa a Scot.

De acordo com a IHS, as poucas unidades frigoríficas brasileiras que estiveram ativas durante o dia visaram preencher lacunas nas escalas de abate desta semana.

“Com a programação feita até o começo da próxima semana, muitas indústrias saíram dos negócios e passam a aguardar a dinâmica do consumo de carne bovina durante esta virada de mês”, relata a IHS.

Entre regiões acompanhadas pela consultoria, os preços da arroba do boi reagiram nos Estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará e Maranhão.

No Centro-Oeste, informa a IHS, as indústrias locais conseguiram fixar novos negócios por meio da elevação dos preços da arroba, o que permitiu a formação de escalas de abate até o dia 4 de dezembro.

Em Minas Gerais, frigoríficos locais optaram pela aquisição de fêmeas com foco em preencher lacunas nas programações de abate desta semana.

No Pará, lotes volumosos, com boa qualidade de acabamento e com boa localização (proximidade das plantas frigoríficas) geraram acréscimo diário de até R$ 300/@ nos preços do boi gordo.

SAIBA MAIS | VÍDEO | Boi gordo: cenários para 2022

No Maranhão, compradores tiveram que operar com uma arroba a R$ 295/@ para fixar novos negócios, informa a IHS.

Nas demais regiões brasileiras, os preços do boi gordo seguem firmes.

Na bolsa B3, assim como na sessão anterior, o dia foi marcado por muita cautela entre os agentes e preços voláteis.

“De certa forma, a cadeia já precificou a forte recuperação do consumo por efeito das festas de final de ano”, observa a IHS.

Os contratos futuros com vencimento para o ano de 2022 estão operando acima de R$ 330/@, efeito da manutenção da oferta enxuta de animais terminados e da expectativa de retorno da China ao mercado comprador de carne bovina brasileira.

No atacado, os preços dos principais cortes bovinos se mantiveram estáveis nesta segunda-feira, relata a IHS.

“O suporte aos preços da carne bovina se mantém pela equalização entre oferta e demanda, efeito do menor ritmo dos abates de animais nas indústrias frigoríficas”, afirma a consultoria.

Apesar de um fluxo mais cadenciado das vendas, não há formação de excedentes nos estoques das unidades, o que ofereceu suporte a estabilidade dos preços dos cortes bovinos, acrescenta.

A possibilidade de reação do consumo com a virada de mês traz uma nova rodada de consistência das vendas, o que poderá abrir espaço a possibilidade de altas nos preços da carne bovina, prevê a IHS Markit.

Cotações máximas desta segunda-feira, 29 de novembro, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 305/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 313/@ (à vista)
vaca a R$ 292/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 310/@ (prazo)
vaca a R$ 291/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 310/@ (prazo)
vaca a R$ 291/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 302/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 305/@ (à vista)
vaca a R$ 288/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca R$ 296/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 298/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 310/@ (à vista)
vaca a R$ 296/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 302/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 305/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 303/@ (à vista)
vaca a R$ 294/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 2896/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 291/@ (à vista)
vaca a R$ 276/@ (à vista)

Fonte: portaldbo.com.br