Volume de negócios avança nesta sexta-feira, 17 de junho, e macho terminado tem alta de R$ 3/@ em SP, alcançando R$ 303/@, informa Scot Consultoria

Com os frigoríficos aumentando a procura por lotes de boiadas gordas, as cotações da arroba subiram nesta sexta-feira (17/6) em importantes praças brasileiras, informam as consultorias que acompanham diariamente o setor pecuário.

Segundo dados apurados pela Scot Consultoria, o preço do boi gordo subiu R$ 3/@ no mercado paulista, alcançando R$ 303/@ (valor bruto e a prazo).

Por sua vez, a cotação da vaca gorda subiu R$ 1/@ em São Paulo, para R$ 275/@, enquanto o valor da novilha terminada teve aumento de R$ 2/@, fechando a sexta-feira valendo R$ 296/@ (preços brutos e a prazo).

Bovinos destinados ao mercado chinês (abatidos mais jovens, geralmente com idade abaixo de 30 meses) estão sendo negociados por R$ 315/@ no mercado paulista, acrescenta a Scot.

“Preços acima dessa referência (para o boi-China) foram reportados, mas com poucos negócios”, relata a Scot.

De acordo com avaliação da IHS Markit, o viés de alta nos preços da arroba segue ditando o ritmo do mercado na maior parte das praças pecuárias brasileiras.

Nas regiões do Centro Sul do País, diz a IHS, os frigoríficos já trabalham com escalas mais apertadas e a dificuldade de originar animais terminados exige a necessidade do reescalonamento de suas programações de abate.

“O panorama nas regiões Sul e Sudeste, que também pode ser estendido para algumas regiões do Centro-Oeste, reflete um cenário de baixa oferta de animais e forte procura, sobretudo pelas indústrias que atuam com exportação”, afirmam os analistas da IHS.

Em algumas áreas do País, continua a consultoria, as escalas de abate estão mais ajustadas e há relatos de frigoríficos que embarcam animais para o abate no dia seguinte à conclusão da negociação.

“Em média, os volumes de animais originados garantem operações entre 5 a 7 dias, porém há variações que podem condicionar menos ou mais dias, de acordo com singularidades e particularidades regionais”, observa a IHS.

Nas regiões do Norte e Nordeste, as indústrias ainda trabalham com escalas de abate relativamente confortáveis, favorecidas pela maior disponibilidade de ofertas de animais gordos.

Segundo a IHS, nas fazendas do Norte/Nordeste, os registros de chuvas ainda possibilitam a retenção de animais gordos no pasto, o que resulta em maior firmeza nas cotações da arroba.

Nas regiões do Centro-Oeste, especialmente no Mato Grosso, a oferta de gado a pasto é mais enxuta e o período seco (e frio) continua forçado os pecuaristas a ofertar os seus lotes remanescentes das propriedades, relatam os analistas da IHS.

Pelo levantamento da consultoria, todas as praças do Mato Grosso registraram avanço nos preços da arroba nesta sexta-feira (veja ao final desta página as cotações máximas do boi gordo e da vaca gorda nas principais regiões brasileiras).

Na opinião dos analistas da IHS, o volume pujante das exportações, favorecidas pela variação cambial positiva, e o quadro enxuto de ofertas de boiadas gordas devem contribuir para a tendência de alta na arroba neste período inicial de entressafra.

SAIBA MAIS | Preço pago pela carne bovina exportada é recorde

Na visão da consultoria, a oferta de animais gordos só deve melhorar a partir de setembro e outubro, quando é esperada a entrada de lotes advindos do segundo giro de confinamento.

Em relação ao atacado, os preços dos principais cortes bovinos registraram alta nesta semana, relata a IHS.

Cotações máximas de machos e fêmeas desta sexta-feira, 17 de junho
(Fonte: IHS Markit)

SP-Noroeste:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 270/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 290/@ (à vista)
vaca a R$ 270/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 260/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 285/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 285/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 275/@ (prazo)
vaca a R$ 260/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 275/@ (à vista)
vaca a R$ 260/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 275/@ (à vista)
vaca a R$ 260/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca R$ 265/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 270/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 270/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 275/@ (à vista)
vaca a R$ 265/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 330/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 330/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 262/@ (prazo)
vaca a R$ 252/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 275/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 275/@ (prazo)
vaca a R$ 265/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 280/@ (à vista)
vaca a R$ 265/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 251/@ (à vista)

vaca a R$ 235/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 280/@ (prazo)
vaca a R$ 272@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 276/@ (à vista)
vaca a R$ 260/@ (à vista)

Fonte: portaldbo.com.br