Segundo a consultoria, a média nacional das escalas de abate está em 12 dias úteis, avanço de 2 dias no comparativo semanal; confira a situação atual das programações em algumas das principais praças do País

imagem internet – Portal DBO

O alongamento do período chuvoso em algumas regiões do Brasil pecuário contribuiu para que a oferta de animais continuasse firme neste início de segundo semestre.

Com isso, os impactos da menor oferta de boi gordo na entressafra ainda não foram vistos, o que resulta em escalas mais alongadas para os frigoríficos brasileiros, informa a Agrifatto.

Nesta sexta-feira, 15 de julho, todas as praças acompanhadas pela consultoria se encontram com as programações de abate acima da média dos últimos 12 meses.

Segundo a consultoria, a média nacional das escalas de abate está em 12 dias úteis, avanço de 2 dias no comparativo semanal.

Veja abaixo a situação atual das programações em algumas das principais praças do País, conforme o levantamento da Agrifatto:

São Paulo – As indústrias fecharam a sexta-feira com 14 dias úteis programados, queda de 1 dia no comparativo entre as semanas.

Pará – Os frigoríficos paraenses conseguiram avançar as suas escalas em 2 dias, encerrando a sexta-feira com a média de 17 dias úteis programados.

Minas Gerais – As programações de abate se encontram na casa de 16 dias úteis programados, avanço semanal de 10 dias.

Mato Grosso do Sul – As escalas de abates se encontram na casa de 13 dias úteis, sem variação ante a última semana.

Goiás – Os frigoríficos goianos encerraram a sexta-feira com 11 dias úteis escalados, 4 dias de avanço no comparativo semanal.

Tocantins – As escalas de abate estão na média de 9 dias úteis, 2 a mais do que na semana passada.

Mato Grosso – As indústrias mato-grossenses conseguiram avançar as escalas em 1 dia, fechando a semana na média de 8 dias úteis.

Rondônia – As escalas de abate continuam na média de 7 dias úteis.

Fonte: portal DBO e Agrifatto